Sexta, 07 Setembro 2018

A cada hora uma pessoa desaparece no RS

Em média, um desaparecimento é notificado por hora no Estado. Dados da Polícia Civil indicam que entre janeiro e julho deste ano foram 5.180 registros. Isso representa 24 casos por dia. É preciso considerar que o número não representa o dado real. É frequente a incidência de pessoas que somem mais de uma vez. A falta de comunicação da localização também impede a polícia de informar com exatidão quantas pessoas estão desaparecidas no Rio Grande do Sul.

O chefe da Polícia Civil, Emerson Wendt, avalia que as pessoas estão mais conscientes sobre a necessidade de registrar a localização. Nos sete primeiros meses deste ano, 6,7 mil pessoas foram encontradas no Estado. Para o delegado, isso indica tanto a localização de pessoas que desapareceram em períodos anteriores, como preocupação maior em fazer o registro.

— Temos feito muitas operações direcionadas a esse objetivo. Confirmar a localização é extremamente importante para nosso trabalho — afirma.

Até o último trimestre deste ano a Polícia Civil pretende reformular a página de desaparecidos em seu site. A inclusão das informações como nome, foto e local onde a pessoa foi vista pela última vez deverá ocorrer de forma automática, assim como a localização. Quando se trata de pessoa adulta, o desaparecimento pode ser comunicado diretamente pela delegacia online.

— É algo que nos permite dar uma agilidade maior, em termos de atuação. É importante sempre lembrar que o registro deve ser imediato, não é preciso aguardar aquelas 24 horas — reforça Wendt.

Como agir em caso de desaparecimento:
• Não é necessário esperar 24 ou 48 horas para registrar o desaparecimento de alguém. Se acreditar que ela pode estar desaparecida, procure imediatamente a Polícia Civil. Quanto antes for comunicado, maiores as chances de a pessoa ser encontrada.
• Não omita informações da polícia durante o registro.
• Se puder, leve uma fotografia atual do desaparecido.
• Converse com amigos, entre em contato com familiares, mesmo os que residem em outras cidades. Fale com as últimas pessoas que tiveram contato com o desaparecido.
• Busque nos locais próximos de onde a pessoa foi vista pela última vez.
• Se for criança, percor­ra os locais onde ela costuma ir.
• Procure hospitais para saber se o desapare­cido não se envolveu em acidente. 
• Se a pessoa já desa­pareceu antes, pro­cure onde ela foi en­contrada das outras vezes.
• Procure a polícia para registrar a localização imediatamente. 

PREVINA-SE

Em caso de idosos, tente garantir que ande sempre com documento e, se pos­sível, que carregue junto anotado em pa­pel nome de familiar, endereço e telefone. A perda de memó­ria é uma das causas frequentes de sumi­ço de pessoas nessa faixa etária.
O mais cedo possível solicite a carteira de identidade da crian­ça. Mantenha a foto do documento.
Fonte: Polícia Civil e ONG Desaparecidos do Brasil.

Fonte: GaúchaZH

Realização:

Apoio:

FECHAR X